O Brincar em Tempos de Pandemia


Desde julho de 2020 um Grupo de Trabalho tem realizado a pesquisa O Brincar em Tempos de Pandemia com o apoio institucional da ABBri (Associação Brasileira de Brinquedotecas). A pesquisa foi idealizada pela pedagoga Sheila Pomilho (PUC/SP - Diretora Escolar CEI - Grupo Marista), com a colaboração das profissionais Teresa Andrea Ferrara (PUC/SP - Coordenadora Pedagógica EMEI- SME-PMSP), Maria Helena Neves (Professora - EMEI/SME-PMSP), Laís Vilela (Coordenadora EMEI - SME-PMSP), Gabrielly de Souza (Estudante de Pedagogia - FEUSP/SP), Pamela Reis (Estudante de Educomunicação – ECAUSP/SP). A profa Dra Sirlândia Reis de Oliveira Teixeira, pesquisadora da infância e dos contextos de formação, membro do CIEI (FEUSP), GRIFO (UFRB) e vice presidente da ABBri tem contribuído e acompanhado os encontros realizados pelo grupo. A pesquisa é um trabalho voluntário e independente para as profissionais que elaboraram a iniciativa, e buscou compreender a realidade brasileira e os desafios do brincar durante o isolamento para as infâncias nos estados brasileiros e Distrito Federal do país. O brincar como linguagem cultural da criança, contribui para o desenvolvimento integral e fortalecimento de vínculos entre adultos - crianças. Ao escutarmos as famílias neste período tão delicado de isolamento social, por motivo da pandemia COVID-19, afirmamos um dos direitos universais, o do brincar. Participaram 5992, famílias, responsáveis por bebês e crianças de 0 à 5 anos e 11 meses que estão na primeira etapa da educação básica, constituídas pelas escolas de Educação Infantil. Em abril, será lançado um ebook com a apresentação dos resultados que permearam questões sobre: Brincar e as Materialidades, Brincar e o Espaço Tempo, Brincar e as Relações e Culturas Infantis, Brincar livre e as Aprendizagens. Seminários Regionais em 20 estados das 5 regiões do país ocorreram no mês de dezembro com a intenção de promover uma integração entre os gestores educacionais das escolas participantes, além de um maior entendimento sobre a multiculturalidade do direito ao brincar nos diferentes territórios. Para Alexandre Romano, Chefe de Divisão de Educação Infantil da Secretaria Municipal de Educação de Manaus “A pesquisa contribuirá com as ações sobre o brincar já realizadas pela Secretaria e os resultados serão muito importantes para qualificar nossos projetos”. Segundo Joyce Coordenadora Pedagógica do CEI José Eduardo Martins Jallad - ZEDU da Secretaria de Estado de Educação de Campo Grande “Estamos pensando em muitas possibilidades a partir dos temas que a pesquisa nos mostrou para qualificar o projeto político pedagógico da escola”. Contamos com o apoio e engajamento na promoção e defesa do direito ao brincar de Gestores das Secretarias Municipais e Estadual de Educação, Diretores Escolares, Coordenadores Pedagógicos, professores, famílias, assim como do Fórum Permanente de Educação Infantil (FOPEIES) do Espírito Santo e da UNDIME (União dos Dirigentes Municipais de Educação) de Roraima. Estamos certos de que o esforço empenhado pelos profissionais envolvidos com a iniciativa, tem e poderá apoiar pesquisas, documentos oficiais das escolas e políticas públicas sobre a defesa deste importante tema. Abraços lúdicos à todos! Sheila Pomilho

231 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O QUE É JOGO LIVRE

O QUE É O JOGO LIVRE, AFINAL? Jogo livre é a atividade iniciada pela criança, não estruturada e voluntária, que permite que ela desenvolva sua imaginação enquanto explora e experimenta o mundo ao seu